quarta-feira, 17 de junho de 2015

O MEDO TEM MAIORIDADE!! CRIANÇAS LOUCAS E ABUSADAS OU ADOLESCENTES SELVAGENS, QUEM SOMOS?

Imagem publicada – a foto que tirei do cartaz do filme RELATOS SELVAGENS, com os atores principais na capa do DVD, em especial Ricardo Darin, grande ator argentino, ao centro, no seu papel de um engenheiro, especialista em demolições, dirigido por Damián Szifron, tendo ao lado os outros atores, à direita , três pessoas, duas mulheres (uma com um facão na mão e outra de avental, com o homem de terno) e um homem, à esquerda dois homens e uma mulher, essa com um vestido de noiva manchado, descrito como sendo: - “Diante de uma realidade crua e imprevisível, os personagens deste filme caminham sobre a linha tênue que separa a civilização da barbárie...”. Sob o título a frase tema: QUALQUER UM PODE PERDER O CONTROLE. (cartaz que estava no Cine Topazio no dia de seu fechamento em um shopping aqui em Campinas, SP)

 “... A liberdade vem, como parte de um pacote promocional, junto com a desigualdade: minha liberdade se manifesta e será medida pelo grau em que consigo limitar a liberdade de outros que reivindicam ser meus iguais...” (Zygmunt Baumman)

Tive que ver o filme em meio a uma plateia que ria com tranquilidade das barbáries trazidas à tona pelos “selvagens” relatos sem querer se ver no espelho. Os circunstantes espectadores na sala escura não poderiam se identificar projetivamente melhor do que conseguiam. Possivelmente a maioria daquele dia era de nossa chamada ‘classe média’ ou a que esta em ‘ascensão para seu declínio’. O ‘mocinho’ do Audi nos diz: -‘Sabe que você é um negro ressentido. Animal’, para o ‘bandido’ no seu carro mais que velho e cheio de ferramentas de trabalho manual.

Mantive-me, silencioso e reprimida mente, contendo um grito ou uma blasfêmia muitas vezes, principalmente quando a marca de um automóvel de mais de 100 cavalos legitima uma agressão a um veículo comum que traz um ‘cavalo-humano’ comum. Os desfechos deixarei para a curiosidade dos que ainda não se viram nesses ‘relatos’. Espero que alguns de meus leitores possam ter a chance de assisti-lo na tela grande, pois atualmente é um privilégio dos canais a cabo, caso não retorne em salas ditas ‘Cult’...

Ou o ‘baixamos’ pela Internet?Porque trazemos este filme argentino para este momento em que 'legitimados' pelo medo e pela propaganda muitos aceitam a farsa sobre a ‘maioridade penal’? Direi que são pela presença ativa de velhos e desgastados ressentimentos, agora renovados nessa luta atual e contínua pela redistribuição de poder e prestígio. Nossos ressentimentos estão sendo aguçados pelas ‘perdas de posições econômico-sociais’, e propagandeados ‘empobrecimentos’ de nossa middle class.

Os tempos são de novas biopolíticas, aquilo que Zizek chamou de “biopolítica pós-política”, onde desejosos estaríamos de “deixar para trás os velhos combates ideológicos, para se concentrar, por outro lado na gestão e administração especializadas”. E as biopolíticas terem como principal objetivo a ‘regulação da segurança e do bem estar das vidas humanas’.

Então porque novamente reiteramos na proposta de encarcerar os que fazem parte dessa ameaça à nossa segurança, os chamados ‘di menor’? Aí é que naturalizamos, a 'maioridade' penal, apesar de ser comprovado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) de que é baixo o percentual dos crimes que são cometidos pelos ‘menores’. Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 2011, mostram que 70% dos adultos presos reincidiram na prática de crimes. Enquanto que o percentual de adolescentes reincidentes, em 2010, segundo o CNJ, ficou em 12,8%.

 A paixão desmedida que se midiatiza em torno de seus atos de infração ou de atitudes ditas antissociais, é transformada em aprovação de uma ‘maioria dos brasileiros e brasileiras’. O medo desses ‘perigosos’ e ‘potenciais’ infratores é insuflado e hiper dimensionado. E, nós nas nossas poltronas, de casa até o cinema, “realmente’’ o sentimos. O medo desses desviantes é alimentado e forjado pelo próprio medo de ter medo.

Esses são, pois, os tempos de massas que agem como autômatos guiados pelas mídias. Massas on line, ditas majoritárias, que passaram a crer, por exemplo, que é muito saudável eliminar todos os infratores, principalmente os ditos ‘menores de idade’, com seu neo encarceramento legal. O seu Estatuto vira uma ‘eca’, é tornado criança e adolescente socialmente perigoso, delinquente. E o controle penal nega as origens de todas as violências sociais a eles relacionados.

Criem-se, então, novos espaços de punição e de segregação. Os nossos velhos hospícios ou manicômios judiciários poderão ser reaproveitados, desde sua lógica até a sua arquitetura, na construção de novos presídios, novas técnicas de vigiar ou punir. Rebaixem a maioridade penal e autorizem as judicializações de todos os campos e espaços do viver. Naturalizem-se as ‘leprificações’ e ‘gentrificações’ das ‘cracolândias,’ assim como a prisão compulsória dos que nunca irão à Disneylândia.

Assim os nossos ‘relatos selvagens’, por mais que estejam na tela dos cinemas, podem ser suprimidos e substituídos pelos jornalísticos canais de televisão e sua selvageria por audiência, por espectadores ávidos da violência social banalizada.

Recentemente, muitos espectadores piscaram e acenderão suas luzes sob o comando de Datenas e das antenas, pensaram estar protestando contra as mortes em seu bairro esquecido. Hoje, nesse segundo, nem os que me leem se lembram deles e das ruas sangrentas ao leste de São Paulo. Copiam as panelas das varandas que ainda as segregam e delas querem distância.

Os mesmos distanciamentos gerados pelos racismos, homofobias, discriminações de gênero, intolerâncias religiosas, ou quaisquer dos preconceitos contra os sujeitos e suas diferenças, a exemplo de pessoas com deficiência. Os mesmos que ocupam as classificações e as anomalias sociais. Se não são desviantes ideológicos se tornarão institucionais.

Eles e elas, os anormais ou as ‘doenças’, devem ser, institucionalmente, reificados assim como tornados o alimento invisível das sanhas e dos discursos violentadores e segregadores. Qual então é sua proposta de solução final? O admirável mundo limpo e higienizado dos hospitais e dos ‘reformatórios’ modernos, não os hospícios, serão o ideal, assim como os mini manicômios invisibilizados dessas mentes, no social e nas suas redes oficiais. Ironicamente, chamamos a Fundação para esses menores desviantes de “Casa”, mesmo que seu sótão ainda seja FÉ BEM.

Senão, vejamos como estes dis-criminados, são motivo de ‘postagens’, hiper compartilhadas, no Facebook. Esquecemos, como convém que outro dia amarrássemos jovens negros, infratores, pobres e sem direitos aos postes das ruas. Meninos e meninas que, diz a mídia, precisam ser responsabilizados, criminalmente, a partir dos seus 14/16 anos ou menos, por suas próprias discriminações. E, assim serem ‘tratados’ e ‘ressocializados’, ou então, linchados. Afinal, eles não marginais? Sobre eles só temos os 'relatos selvagens'?

Recente matéria sobre o Mapa da Violência no Brasil nos deu, novamente, a informação confirmada de que são estes os que mais morrem por bala e polícia. São, portanto, os que deverão, segundo nossos imaginários e futuros manicômios pós-modernos, ocupar os novos containers-prisões privadas das neo-terapias das Laranjas Mecânicas. E qual será a estatística da cor de sua pele e da sua classe social? Quem gerenciará e administrará essa nova biopolítica? Quem lucrará com essas vidas nuas tornadas ‘maiores’, por força da Lei, enquanto ‘menores’ em todos os seus direitos humanos?

À espera dos novos bárbaros e das novas barbáries, convivendo com as farsas macropolíticas, assistindo a des-laicização do Estado e sua ‘’evangelização’’ cruenta, onde as pedras e apedrejamento dos tempos bíblicos se tornam ‘comuns’ e cotidianos, continuo sofrendo uma profunda tristeza diante desse grave quadro. Meu cerne continua doce, mas me forjam uma carapaça depressiva e neurótica que, lentamente, se associa com nossas pulsões de Morte e negação de meus ‘narcisismos das pequenas diferenças’.

Nessa Idade Mídia reificada, é que, finalmente, me questiono e os questiono: o que, para quê e no que estamos nos tornando? Regressivamente crianças loucas, sádicas e abusadas, realimentadas de ódios políticos, que desejam uma Ordem Ditatorial novamente?  Ou, fascinados por nossos podres poderes, somos apenas os adolescentes protraídos que selvagemente nos recusamos nossa própria maioridade civilizatória e cultural? Quem queremos nos tornar ou re-existir?

Se abrirmos nossos corpos, como máquinas de destruição do Outro e da Diferença, qual crueldade restará nessa menor ou maior parte/partícula de nossas menosVidas?

Eu, aqui, quase sempre re-existente continuo não aceitando o que dizem ser desejo das maiorias. Elas é que se tornam as massas fascistantes e que acreditam nessa falsa solução das maioridades penais ou das prisões no lugar de escolas, educação laica, em e para os direitos humanos, assim como a não homogeneização dos desejos e sonhos como singularidades.

Copyright/left jorgemárciopereiradeandrade 2015-2016 (favor citar o autor e as fontes em republicações livres pela Internet ou outros meios de comunicação de massas e para elas modificados...)

FILME CITADO – RELATOS SELVAGENS - http://www.adorocinema.com/filmes/filme-221270/
TRAILER LEGENDADO - Relatos Selvagens - Relatos salvajes, 2014

LEITURAS PARA QUE REPENSEMOS NOSSOS ‘’RELATOS SELVAGENS’’-

O QUE É VIOLÊNCIA SOCIAL? VIOLÊNCIAS NO PLURAL SE MULTIPLICAM EM TEMPOS DE BIOPOLÍTICAS – Jorge Márcio Pereira de Andrade - in O que é Violência Social? (Jorge P. Andrade, Antônio Zacarias, Ricardo Arruda e Daniel Santos), Escolar Editora, Lisboa, Portugal, 2014.

VIOLÊNCIA – Slavoj Zizek, Boitempo Editorial, São Paulo, SP, 2014.

A ÉTICA É POSSÍVEL NUM MUNDO DE CONSUMIDORES - Zigmunt Baumman, Editora Zahar, Rio de Janeiro, RJ, 2014. (em PDF http://www.zahar.com.br/sites/default/files/arquivos//t1278.pdf)

Notícias que não se tornam ‘’virais’’ nas ‘’redes sociais’’
O Adolescente em Conflito com a Lei e o Debate sobre a Redução da Maioridade Penal: esclarecimentos necessários – IPEA – (documento em PDF) http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/150616_ntdisoc_n20
Disparos de arma de fogo mataram cerca de 42 mil pessoas em 2012 no Brasil http://oglobo.globo.com/brasil/disparos-de-arma-de-fogo-mataram-cerca-de-42-mil-pessoas-em-2012-no-brasil-16150637




AÇÃO URGENTE: Brasil não deve deixar que adolescentes sejam julgados como adultos (Anistia Internacional) - https://anistia.org.br/entre-em-acao/email/acao-urgente-brasil-nao-deve-deixar-que-adolescentes-sejam-julgados-como-adultos/
Leiam também no blog –

O DIREITO A DOIS CADERNOS, QUAL É A NOSSA PREFERÊNCIA? Incluir e/ou Excluir? http://infoativodefnet.blogspot.com.br/2013/09/o-direito-dois-cadernos-qual-e-nossa.html

O RETORNO DA INCLUSÃO PELA INTEGRAÇÃO: Novos muros nas Escolas, Fábricas e Hospitais. http://infoativodefnet.blogspot.com.br/2011/12/o-retorno-da-integracao-pela-inclusao.html


6 comentários:

  1. Oi Dr.Jorge!
    Belo texto. Confesso que sinto tristeza muitas vezes com esta situação. Sentimento de impotência diante de questões que gostaria de ver sanadas. Continue dando voz e clareando mentes! Pode haver luz no fim ou dentro do túnel. Ainda tenho esperança de ver uma sociedade mais justa e um país melhor. Doce abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi Dr.Jorge!
    Belo texto. Confesso que sinto tristeza muitas vezes com esta situação. Sentimento de impotência diante de questões que gostaria de ver sanadas. Continue dando voz e clareando mentes! Pode haver luz no fim ou dentro do túnel. Ainda tenho esperança de ver uma sociedade mais justa e um país melhor. Doce abraço!

    ResponderExcluir
  3. Solange Maria Albuquerque (Via Facebook)
    Oi Jorge!
    Belo texto. Confesso que sinto tristeza muitas vezes com ests situação. Sentimentos de impotência diante de questões que gostaria de ver sanadas. ..Continue dando voz e clareando mentes! Pode haver luz no fim ou dentro do túnel. PS ...acrescenta que eu tenho esperança ainda de ver uma sociedade mais justa e um país melhor. Doce abraço!

    ResponderExcluir
  4. Na falta da construção de novos pelourinhos, hoje, usam-se postes mesmo, mais à mão e cumprem a mesma funcionalidade...
    DulceAbraço

    ResponderExcluir
  5. São relevantes suas postagens e mais pessoas de bem e de boa vontade deviam também comentar aqui. Eu também desejo somente o bem deste país e também tenho esperanças em um Brasil só de agroecologia, agricultura orgânica, familiar, justiça social para negros e negras, jovens, pobres, e minorias. Estes tempos estão difíceis para muita gente em muitas ocasiões inclusive para mim. Deus que é Deus, nosso Pai Eterno julgará a todos, tenhamos muita fé e persistamos no bem para merecermos a Maravilhosa Vida Eterna com Jesus e com os Espíritos Santos.
    Um Abraço e Fica com Deus. OBS: sou mais uma que segue seu blog sério e relevante.

    ResponderExcluir
  6. Nessa republica bela, recatada e do lar, o inferno é o que está fora do condomínio, da TV, ou daquilo que se curte nas redes sociais... O inferno não são só os outros, mas o diferente, o divergente e principalmente os que recusam-se a permanecer invisíveis para estragar mundo perfeito da propaganda para o consumidor-cidadão. Posto cara a cara com os pecados da sua própria sociedade, o homem de bem apela a Cristo negando seus ensinamentos mais rudimentares, na esperança de se regozijar na vingança da primeira pedra, na inquisição sensacionalista e dos múltiplos likes, que como em Roma, viram-se para pedir a execução. Mas não há noite que dure para sempre. Diante de tamanho massacre, o humanismo há de surgir como planta no asfalto, negando teimoso a narrativa da maioria, mesmo que sob o risco de ser ele mesmo o linchado, crucificado e excluído, das redes e da vida. Porque nem o autoritarismo mais absoluto compra ou mata todas as mentes. E até as mentes que mata convertem se em sementes, da safra que virá na aurora.

    ResponderExcluir